Lúcio Bernardo/Agência Câmara

Molon ironiza defesa do presidente: “algum colega aqui acha que Temer fosse dar um recebido da propina?”

Rede Sustentabilidade 2 de agosto de 2017

Share on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0

Durante o encaminhamento de seu voto na sessão da Câmara dos Deputados que pode autorizar o envio da denúncia contra o presidente Michel Temer ao Supremo Tribunal Federal (STF), o deputado Alessandro Molon (REDE-RJ) ironizou a tática da defesa de Temer de que faltam provas para o processo.

“Se nós autorizarmos, o Supremo poderá receber a denúncia ou não. E se de fato essa denúncia for capenga, o Supremo não a receberá e Temer não será afastado. Mas a base do governo sabe que a denúncia é robusta como poucas vezes vista. Ou será que algum colega aqui acha que Temer fosse dar um recebido da propina, assinando um documento dizendo: ‘recebi das mãos do deputado Rocha Loures o valor de 500 mil reais a título de pagamento de propina”, disse. “. “É um grave momento para o Brasil. A Câmara não pode ser cúmplice de Temer, primeiro presidente denunciado por corrupção no exercício do mandato”, disse o deputado, ao encaminhar seu voto pela admissibilidade da denúncia contra o presidente.

Para Molon, é preciso que o parlamento tenha um compromisso pelo país. “Os brasileiros estão cansados de passar a mão na cabeça de quem comete crimes. E nós temos hoje essa oportunidade de virar essa página”, afirmou o deputado. Segundo ele, é urgente que a Câmara cumpra o seu papel e reconheça que as provas contra o presidente são fortes e completas. “O presidente recebeu no porão empresário que ele mesmo chama de criminoso, num encontro clandestino, para tratar de negócios escusos. O operador de Temer foi filmado levando a mala de dinheiro. E a defesa de temer diz que a acusação é capenga, é xoxa, uma peça de ficção”, comentou.

“O parlamento corre o risco de colaborar com a impunidade ao permitir que votos sejam trocados por emendas, cargos ou ameaças e chantagem praticados pelo presidente da República. Enquanto isso, esse dinheiro que vem pra emendas parlamentares é o dinheiro que está faltando em hospitais e escolas”, declarou Molon.

Veja a íntegra do discurso aqui.

 

 

Share on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0