No Brasil a tragédia tem traços próprios, lamenta Marina Silva

No Brasil a tragédia tem traços próprios, lamenta Marina Silva

Marina Silva

Ministério da Saúde dificulta vacinação, adota política de lentidão e imprevidência

Depois de um ano de susto, medo, perplexidade, indignação, muito trabalho e esforços nem sempre bem conjugados, a humanidade chegou a resultados esperançosos no enfrentamento da pandemia. Cada país teve seu processo em que ciência, tecnologia e política se agitaram no caldeirão da cultura local em dinâmicas específicas, ainda que guardando algumas similaridades.

Depois de esquadrinhar o vírus, descobrir sua interação com a fisiologia humana e buscar formas de fortalecer as defesas de cada organismo, chegamos à vacina.

Sem dúvida, se 2020 foi o ano da pandemia, da pesquisa, do esforço sobre humano dos profissionais de saúde para salvar vidas, da correria para construir hospitais de campanha e equipá-los com respiradores, de desesperadoras histórias de corrupção nessas compras públicas que chamaram a polícia para um assunto de saúde, de dias e noites insones de pesquisadores em seus laboratórios buscando uma aplicação prática dos conhecimentos acumulados na área de imunização, inegavelmente o ano de 2021 será o ano da vacina. Sua produção, logística de distribuição, observação dos efeitos, cronogramas “agoniantemente” longos de cobertura vacinal para os bilhões de habitantes do nosso planeta.

No Brasil a tragédia tem traços próprios.

Os respiradores, produto de primeiríssima necessidade, entraram no repertório dos brasileiros a partir das terríveis agruras desde o início da pandemia. O avanço da doença nos pulmões faz com que a falta de ar seja um dos principais e mais terríveis sintomas para o paciente e um dos grandes desafios para a medicina. Em Manaus a população vive uma situação de caos no uso desse equipamento porque falta oxigênio. O provável efeito do surgimento de uma nova cepa, as aglomerações no final do ano, a ampliação da demanda de oxigênio para além da capacidade de produção da fábrica que existe em Manaus são componentes de um cenário de dor, morte e muito sofrimento, onde a esperança de sobreviver à doença é castrada e tudo leva a que a vacina seja uma saída necessária e urgente.

Quanto à aplicação da vacina, temos dificuldades de agilidade na coordenação pelo Ministério da Saúde. Enquanto o mundo todo, com vacinação iniciada na primeira semana de dezembro, só agora chegou à marca de 23, 8 milhões de pessoas segundo a universidade Johns Hopkins, o Brasil é um dos únicos países que consegue vacinar 10 milhões de pessoas em um dia, conforme declaração recente do ex-ministro de Saúde José Gomes Temporão. Ou seja, temos uma ferramenta de imunização fantástica, mas a estratégia do atual ministro da Saúde, até agora, tem sido a lentidão.

A aquisição de vacinas da Pfizer não se realizou porque o Ministério da Saúde, liderado pelo general especialista em logística Eduardo Pazuello, não respondeu à consulta da empresa sobre interesse do país em seu fornecimento. Diante do silêncio, a Pfizer comercializou seus estoques com outros países e não pode mais atender ao Brasil no curto prazo. Em outra frente, a disputa política visível e lamentável entre o presidente e o governador de São Paulo, gera um estranho ritmo de aprovação da vacina Coronavac, desenvolvida em parceria entre o Instituto Butantan e laboratório chinês. Até onde se sabe, não há reservas de aquisição feitas pelo governo federal junto a outras empresas, exceto pela ínfima quantia de dois milhões de doses que estão sendo buscadas na Índia, para uma população de mais de 212 milhões de pessoas.

Porém, se por um golpe de sorte – e não por estratégias previamente planejadas – conseguíssemos as vacinas, ainda assim o Ministério, não poderia proteger a população: vacinas demandam seringas e agulhas. Na política da lentidão e imprevidência adotada, ninguém tomou medidas para comprá-las. Em setembro, a OPAS, braço da OMS para as Américas, ofereceu 40 milhões de agulhas e seringas ao governo brasileiro. Depois de 90 dias “refletindo profundamente” sobre “oportunidade e conveniência” de adquirir tais produtos em plena pandemia, o Ministério respondeu que sim, seria bom comprar os meios de fazer a vacina chegar ao braço de 40 milhões dos 212 milhões de brasileiros, na esperança de que os governadores e alguns prefeitos tivessem adquirido em algum lugar as 173 milhões de agulhas e seringas faltantes. Na hora de atender a urgência da situação e decidir sobre o meio de transporte, tendo que escolher entre avião e navio, Pazuello apostou em navio. É o nonsense da prática da lentidão para enfrentar situações de urgência e emergência.

Com a incerteza em relação a termos vacinas, surgiu outro tipo de problema, que foram as demandas por privilégios na vacinação. Para os que carecem do necessário cultivo cívico, persistentes demandantes de privilégios, a Fiocruz deu uma lição de ética pública na resposta dada: a própria entidade e suas estruturas de fabricação não poderiam reservar doses ou priorizar a si mesma e todas as doses que produzir vai serão entregues ao Ministério da Saúde.

Na contramão de atos e gestos como os da FIOCRUZ, que ensinam pelo exemplo a altura e a profundidade do que significa ter ética pública, está a atuação da liderança do Executivo, que age desconsiderando seu papel estrutural no imaginário nacional e a decorrente capacidade de influenciar, para o bem ou para o mal. Exonerou dois ministros da Saúde com a população morrendo em UTIs saturadas e carentes de equipamentos, medicamentos e pessoal. Sendo paraquedista por formação, receitou ao país e comandou o Exército a produzir cloroquina às toneladas e com gastos públicos altos, à guisa de prevenção, sem nenhuma base científica sobre a eficiência do fármaco. Recusou-se a usar a máscara e fez visitas a padarias, quiosques e outros locais públicos sem esse artefato que significa, mais que a proteção individual, a preocupação com ou outro e sua proteção. Promoveu ostensivas aglomerações inclusive com crianças presentes, em período em que as autoridades sanitárias recomendaram isolamento social. Fez campanha sistemática contra as vacinas, insistiu na não obrigatoriedade e anunciou que não vai se vacinar. Tudo isso se soma a uma série de declarações ao longo do ano que denotam falta de empatia, frieza, falta de solidariedade e indiferença com os que morreram e o sofrimento de seus familiares.

No próximo domingo, dia 16 de janeiro, caso o dia D e a hora H não se transformem em mais uns dias e horas depois, em algum lugar no futuro por falta de logística, teremos um ato burocrático e interno de um órgão da estrutura estatal guindado à categoria de espetáculo público. Trata-se da decisão da Diretoria Colegiada da Anvisa sobre os pedidos de licença do Instituto Butantan e da Fiocruz para produzir as vacinas Coronavac e AstraZeneca transmitida pela televisão. Cronometrado com muita precisão o andamento dos dois processos, a intenção parece ser evitar que o governador de São Paulo, muito empenhado na plataforma eleitoral que a vacina pode significar, tenha a licença sozinho e primeiro. Há claros indícios de que a licença para a Fiocruz na mesma ocasião e o lote de vacinas trazidos da Índia servirão principalmente para que o governo federal, embora com todo o desempenho protelatório e insensível do Ministério da Saúde, puxe para si o protagonismo da primeira vacina aplicada em território brasileiro.

E assim, entre percalços de todo tipo, a esperança e a liberdade de circulação começarão a retornar ao país. Vamos ficar gratos e contentes, com os esforços dos homens e mulheres que se dedicam a ciência, mas não podemos esquecer como nossa saúde foi tratada pelos governantes mais interessados em ganhar eleições do que em manter pulsando a vida em nossos corações.

Foto: Governo do Amazonas

Fechar Menu